Plutocracia.com


AIPAC - A Voz da América (O que todos os norte-americanos deveriam saber)

Anthony Lawson - 13/5/2011

https://www.youtube.com/watch?v=IqM2EXFdOnM

Vídeo de Anthony Lawson que aborda a influência exercida pelo lobby judeu na política externa dos EUA.


Nem Bush ou Obama, ou qualquer outro presidente, quem manda nas decisões políticas dos EUA é a AIPAC

Como um lobby que, agindo como um parasita, se infiltrou dentro dos EUA e passou a controlar cada aspecto da sua política interna e externa a favor de Israel, lutando suas guerras e fazendo da ONU uma organização meramente de fachada.

por Tanya Cariina Hsu

Fórum anti nova ordem mundial - 27/01/2013

http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-nem-obama-ou-ningu%C3%A9m-aipac-o-lobby-israelense-que-dominou-os-eua-por-dentro

Um dos grupos de lobby mais influente da América, muitas vezes é questionado por que nenhum político pode ser eleito para algum cargo, sem o apoio do AIPAC. Nenhum presidente pode assumir a Casa Branca sem afirmar fidelidade inquebrantável para com Israel, bem como é obrigatória a sua participação na reunião anual da AIPAC. Uma vez eleitos para o cargo, todos os membros do Congresso devem agir, votar e defender o Estado de Israel em todas as questões, ou então enfrentar as consequências.

Originalmente chamado de Comitê Sionista Americano para Assuntos Públicos, o Comitê de Assuntos Públicos Americano-Israelense, (AIPAC), foi um desdobramento do Conselho Americano Sionista, que mudou de nome em 1963. Com um único propósito de defender os interesses do Estado de Israel, a AIPAC deveria ser listada pelo governo dos EUA como um agente estrangeiro, e diante disto, o Comitê nega continuamente que receba quaisquer fundos de Israel (dizem que são todos Americanos, logo não estão infringindo a lei).

Quais são as táticas da AIPAC? Como eles conseguiram obter o controle absoluto do governo dos Estados Unidos, e portanto, conseguiram por extensão o poder de veto na ONU? Vários anos atrás eu descobri como AIPAC trabalha diretamente.

Durante a década de 1990, eu estava ativamente envolvida com uma grande orquestra sinfônica nos EUA, sendo patrocinadora e prestando consultora artística. Tendo estudado piano clássico por 15 anos e sendo eternamente uma pianista frustrada, Próxima do maestro, dos personagens principais e vários membros do Conselho, uma outra contribuidora muito mais importante que eu se tornou minha conhecida.

Ela, assim como o maestro, eram de uma ardente família sionista, enviada para os campos de concentração na Áustria durante a guerra. Ao longo dos anos o meu envolvimento profissional em assuntos do Oriente Médio nunca foi trazido a tona e apesar de nossos pontos de vista opostos sobre Israel no entanto, o nosso relacionamento estava em boas condições antes de 9/11.

Após 9/11, a atmosfera na América tornou-se altamente carregada. Minha amiga Sarah (não é seu nome verdadeiro) não perdeu a oportunidade de culpar os árabes por cada ataque nos EUA, não só os de 9/11 mas também qualquer ato violento antes ou depois deste ataque. Antes de ter encerrado o nosso relacionamento, ela explicou como a AIPAC controla o Congresso.

Muitos anos antes, Sarah tinha sido uma representante líder da AIPAC. Confiante na capacidade dos EUA de 'ir atrás' dos terroristas árabes que queriam "destruir" Israel e o Ocidente, ela explicou como as guerras no Oriente Médio são feitas com a influência da AIPAC. Ela conhecia o sistema por dentro, porque ela era uma componente dele.

AIPAC vigia cada campanha política em todas as eleições, explicou. Seja local ou nacional, a AIPAC tem dossiês sobre cada candidato, de acordo com a classificação de cada um sobre sua lealdade ao Estado de Israel.

Assim que o recém-eleito assumisse o seu novo escritório em Washington DC, Sarah levaria uma delegação de membros do AIPAC para a capital para fazer-lhe uma visita de cortesia. Os congressistas e suas mulheres davam boas vindas ao lobby, a AIPAC meramente expressava boa sorte para o seu novo mandato. A reunião duraria menos de 20 minutos, nada mais que gentilezas e fotos sendo tiradas. Ao deixar a reunião então acrescentava: "Tudo o que você quiser saber sobre o Oriente Médio, contate-nos. Nós iremos fornecer todas as informações que você precisar. Aqui está o nosso número de telefone, e alguém vai ligar para você muito em breve. "

Nenhuma lei foi quebrada, ninguem deu ou recebeu dinheiro, e nenhuma ameaça foi feita. O político novato tem então alguém para chamar a qualquer hora do dia ou da noite para aprender sobre as questões pertinente ao mundo árabe. As questões atuais da região significa que o novo Congressista tinha de se tornar rapidamente informado. Se ninguém mais está disponível para isso - e ninguem nunca está – a AIPAC se prontifica.

Uma vez que tivesse ido ao escritório do congressista, duas semanas mais tarde Sarah traria uma segunda delegação novamente a Washington para "ver como eles estavam se dando bem". Mais uma vez, eles oferecem um plantão de conhecimento sobre o Oriente Médio, 24 horas por dia, então eles o convidam para uma viagem a Israel, com todas as despesas pagas, para testemunhar o "terror" que os Israelenses sofrem todos os dias. Após a sua partida para Israel, a AIPAC iria apresentar um cheque de alguns milhares de dólares "como uma doação" para o escritório do congressista.

A partir deste ponto, as regras específicas sobre lobby serão chutadas e cada contribuição seguinte teria de ser cuidadosamente planejada. No entanto, a mensagem implícita foi deixada de que sempre haveria mais dinheiro de onde este doce dinheirinho veio.

Quanto mais eles fossem aliados ao Estado judeu, mais benefícios os políticos iriam receber. Foi fácil arrumar carreiras promissoras para Ex-Congressistas que tinham sido abertamente pró-israelenses, mas o trabalho mais duro é exigido em relação aos membros mais neutros. Sem esforços de contraposição por parte de quaisquer grupos árabes ou muçulmanos, a AIPAC está massageando uma mensagem sobre o Oriente Médio dominado: Eles estão altamente receptivos a ligações de imediato, disponíveis, prontos para dar apoio, e receptivo a todos os pedidos de análise. AIPAC tem uma capacidade quase exclusiva de dominar a narrativa pois se tornou uma igualmente bem organizado alternativa, fortemente aparelhada, com equipe dedicada e imediatamente disponível, palavras vazias e promessas deixam quaisquer opiniões contrárias muito para trás.

"Após a nossa segunda visita um membro da AIPAC então irá entrar em contato a cada semana, para lembrar o congressista que estavam disponíveis", explicou Sarah. "Nós somos constantes, educados e regulares como um relógio." Com uma metodologia tão bem trabalhada, a AIPAC não poderia falhar.

Depois de poucos meses uma terceira visita elevava as apostas. Representantes chefes da AIPAC iriam visitar o escritório do congressista, desta vez com uma arma metafórica em uma mão e muito dinheiro na outra. Este dinheiro nunca poderia ser apresentado diretamente pois as leis seriam quebradas. Em vez disso, tendo estudado a fundo a família do deputado, seus amigos, seus hobbies, causas escolhidas e histórico de votação, a AIPAC gostaria de acrescentar incentivos financeiros para fazer os mais relutantes "verem a luz" e ficarem a favor da "causa".

"Sua filha mais velha está indo para a faculdade no próximo ano, não é ela mesma? Isso é caro. Talvez uma bolsa de estudos integral possa ser arranjada ", ilustra Sarah. Ou ainda, "Sua esposa perdeu o emprego no ano passado? Talvez possamos ajudar a aqssegurar uma nova carreira para ela ", em um escritório de advocacia, algum fórum ou outro ambiente onde a AIPAC mantém influencia. Se não de forma direta, outros benefícios importantes para o deputado poderiam ser arranjados. O ponto central é que niguem perde.

Contornando leis, a generosidade da AIPAC sempre mantém as expectativas elevadas. Um congressista sabia que se ele não votasse a favor de Israel em uma lei que seria votada a seguir, seus privilégios seriam perdidos. Além disso, fica evidente que o apoio à sua reeleição não seria mais garantida, ou, -se não fosse pró-Israel o suficiente - não seria apenas retirado, mas uma campanha organizada seguiria em frente para ter certeza de que ele fosse derrotado nas eleições.

A AIPAC trabalha com um punho de aço, mas de forma calma. Ela tem usado a propaganda e as ameaças por décadas simplesmente porque isto funciona. Após ter tentado sem sucesso influenciar o governo britânico na década de 1940, o corpo sionista passou a manipular o Congresso dos EUA porque era um alvo mais fácil e mais maleável, pois os congressisstas admitiam o seu jogo.

Graças a uma organização de política multi-geracional de vários milhões de dólares em conjunto com chantagem implícita, cada senador dos EUA e deputados, no mínimo olham para o outro lado enquanto Israel continua a violar as leis internacionais, ocupando e roubando o território palestino, ilegalmente encurralando os palestinos e bombardeando civis inocentes.

A alternativa é o fim de uma carreira política.

Basta perguntar ao Ex-Presidente, Jimmy Carter ou então ao Embaixador Freeman 'Chas' Charles. (NT: Que se oporam a Israel e foram sumariamente banidos da vida política dos EUA).

http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-nem-obama-ou-ningu%C3%A9m-aipac-o-lobby-israelense-que-dominou-os-eua-por-dentro

Lista de vídeos

Página Inicial